domingo, 5 de fevereiro de 2017

Crítica: La La Land - Melodia de Amor (La La Land) . 2016


Damien Chazelle surpreendeu todos, ao fazer da sua segunda longa metragem um sucesso digno de realizador experiente em Hollywood. A sua produção independente Whiplash (2013), tinha a qualidade de qualquer filme de grande estudio e os olhos ficaram de imediato postos neste jovem de 32 anos, que escreve e realiza como gente grande, onde já merecidamente o podemos classificar como um dos melhores da nova era.

Los Angeles, a cidade dos sonhos. Mia (Emma Stone) é uma aspirante a actriz, a trabalhar numa coffee shop de um estúdio de cinema. Sebastian (Ryan Gosling) é um pianista de jazz, debatendo-se por encontrar um trabalho onde possa ser dono da sua criatividade. O destino dos dois cruza-se e juntos vão descobrir que o amor e os sonhos são algo verdadeiramente poderoso. Cada vez passam mais tempo juntos e um carinho especial surge. A ambição de triunfar é imensa pela duas partes, e assim é também o amor que os une, mas será que tudo é realmente perfeito e possível na cidade dos sonhos?

La La Land é tudo aquilo que esperávamos dele e muito mais. Uma obra cheia de energia e magia, que nos faz sonhar e nos transporta para o maravilhoso mundo não só do cinema, mas também da música, onde o sonho comanda a vida e a imaginação e perseverança triunfam num mundo que é dos loucos que arriscam tudo para se dedicarem ao sonho das suas vidas. A banda sonora é sublime, assim como os jogos de luz e de cores e ajudam a dar vida a todo este imaginário de amor e romance, que nos envolve e nos faz sonhar com ele. Uma bonita homenagem à era musical em Hollywood, dando-lhe um toque moderno que foge aos habituais clichés com que nos deparamos em todos os filmes que aqui serviram como referência. O brilho e o glamour dos velhinhos clássicos está aqui presente, mas é o toque imperfeito (e acreditem que esta afirmação é uma coisa positiva) que Chazelle lhe dá que o torna especial. Mas o seu sucesso também cai sobre a faísca e o carisma que Emma Stone e Ryan Gosling transportam para esta história, já para não falar da sua incrível química que os faz ser um dos casais mais perfeitos de sempre do cinema, conseguindo sempre transparecer a emotividade e profundidade necessárias aos personagens que interpretam.

La La Land existe para nos relembrar que os sonhos podem ser reais, mas que por vezes temos de abdicar do que mais amamos para os conseguirmos alcançar. Mas existe também para afirmar que o cinema pode realmente fazer-nos sonhar.

Classificação final: 5 estrelas em 5.
Data de Estreia: 26.01.2017

Sem comentários:

Enviar um comentário