segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Crítica: Sicario - Infiltrado (Sicario) . 2015


Podemos constatar que Denis Villeneuve tem um certo fascínio por histórias sombrias e misteriosas, que através de uma atmosfera absolutamente envolvente nos transportam para dentro da tela da forma mais hipnotizante que pode haver. Sicario é o perfeito exemplo de um excelente thriller de acção, apenas com alguns aspectos previsíveis mas que não prejudicam em nada a experiência final.

O filme lida com algumas das questões e consequências devastadoras das chamadas guerras da droga entre Estados Unidos e México. Kate Macer (Emily Blunt) é uma agente do FBI responsável por liderar uma unidade especial de narcóticos. Depois de descobrir cadáveres executados por um poderoso cartel, e mesmo com pouca experiência naquilo que é a verdadeira luta contra as drogas, é convidada para participar na missão que levará a cabo a descoberta do líder desse mesmo cartel. Kate e o seu parceiro de unidade (Daniel Kaluuya) seguem as ordens de um conselheiro de justiça (Josh Brolin) e do misterioso colombiano que o acompanha (Benicio Del Toro) sem nunca saber ao certo aquilo que os espera. A inexperiência de Kate torna-se uma angústia constante, o que fará vir ao de cima todas as suas inseguranças e medos reflectidos na sua postura e atitudes, quando começa a por em causa todo o propósito e valor da missão.

Todo o mistério em torno dos personagens é um elementos chave para o interesse e envolvimento com os personagens, que mesmo nos dando tão pouco de si em termos emocionais - e não nos podemos esquecer nunca com que tipo de pessoas e profissões está o filme a lidar - nos fazem agarrar tanto a eles, como se quiséssemos compreender detalhadamente cada uma das suas vontades e motivações. As performances do elenco são algo de extraordinário, e principalmente todo o desempenho de Emily Blunt reflecte o terror e contenção que o filme carrega consigo. Quase todas as cenas nos deixam entusiasmados e definitivamente intrigados com o que estamos a ver e o melhor de tudo é que a emoção durante a acção é tanta, que quase que sentimos estar lado a lado com os personagens. 

Como também já é habito nos filmes de Villeneuve, a cinematografia é algo belíssimo, a construção da narrativa boa, a banda sonora aterradora, e as questões que aborda deixam que pensar, tudo elementos que contribuem imenso para o resultado final. Absolutamente intenso, intrigante e cheio de grandes performances, Sicario será com toda a certeza um dos meus preferidos do ano.

Classificação final: 4,5 estrelas em 5.
Data de Estreia: 15-10-2015

4 comentários:

  1. Também gostei bastante.

    Não sei se já viste True Detective, mas este filme faz-me muito lembrar essa série, a atmosfera, a cinematografia e a música.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adorei mesmo! Fui ver duas vezes ao cinema e penso que provavelmente será o meu favorito do ano, mas não me vou já precipitar porque ainda há mais para ver :p

      Tens razão sim senhora, faz lembrar o True Detective (só vi a season 01, mas dizem que a season 02 também está muito boa).

      Eliminar
  2. Como é que The Force Awakens não é o teu favorito do ano?!?!?
    Não quero mais conversas contigo :P

    Eu não gostei tanto da S02 de True Detective como gostei da S01, algo confusa (e acho que não sou o único a pensar assim)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é que eu já sabia que tu ias dizer isso? hahaha Vá, vai ser um dos meus favoritos do ano, isso é certo ;)

      Ainda tenho que ver. Disseram-me que ao inicio aquilo não parecia convencer, mas que depois começou a ficar melhor.

      Eliminar